Responsive image

Apresentação do projeto


Os nomes de pessoas constituem uma fonte fundamental para a história  das sociedades antigas, dado que a onomástica é o reflexo da identidade cultural, social e geográfica dos indivíduos. O seu contributo é, assim, essencial para analisar as relações familiares e a organização social das comunidades cívicas provinciais e para avaliar as transformações culturais que as populações do império romano conheceram ao longo do tempo.

Nesta matéria, a Península Ibérica beneficiou de uma longa tradição de estudos espelhada em trabalhos de grandes especialistas como María Lourdes Albertos Firmat ou Jürgen Untermann, enriquecida, em 2003, com o Atlas antroponímico de la Lusitania romana, publicado pelo Institut Ausonius (Université Michel de Montaigne-Bordeaux III) e pela Fundación de Estudios Romanos (Museo Nacional de Arte Romano, Mérida) e elaborado pelo «Grupo Mérida», uma rede de investigação internacional que reuniu estudiosos de Espanha, Portugal, França e Canadá. 

Resultado de uma década de pesquisa, esta obra marcante representa uma etapa fundamental na investigação onomástica sobre o império romano, afirmando-se como ferramenta de trabalho indispensável para a comunidade científica. Partindo dos dados disponíveis até 2002, oferece, através de 339 mapas e de 2030 nomes distintos inventariados, uma ilustração peculiar e original da sociedade da província da Lusitânia durante o Alto Império.

ADOPIA constitui a continuação deste projeto, em versão digital e dinâmica, combinando a investigação epigráfica inovadora e todas as vantagens das novas tecnologias, uma vez que o formato digital facilita a constante atualização de dados, nomeadamente pela integração dos que são proporcionados pelas novidades epigráficas.

As possibilidades associadas às Humanidades Digitais introduzem, deste modo, uma valia e um impacto consideráveis com respeito aos dados disponíveis, visto que ADOPIA faculta a realização de buscas simples e avançadas acerca dos nomes e das denominações pessoais documentados nas provincias de la Hispânia romana, bem como a leitura imediata da representação cartográfica dos resultados.

Após o registo dos dados da Lusitânia, ADOPIA vai acolher os dados onomásticos das outras duas províncias hispanas. Os documentos da Bética estão sendo estudados atualmente.

O trabalho atual faz parte de um programa de investigação doSocial Science and Humanities Research Council of Canada– Conseil des recherches en sciences humaines du Canada  (SSHRC/CRSH), « Names and Identity in Roman Spain: the ADOPIA Project » (Subvenção para o desenvolvimento de iniciativa conjunta #890-2017-0039). Esta ajuda completa de maneira essencial aquela que já foi recebida pelas diferentes equipesdo ADOPIA de la Faculty of Liberal Arts and Professional Studies (York University), do Institut Ausonius (CNRS – Université Bordeaux-Montaigne), do Centro CIL II (Universidad de Alcalá) e do Archivo Epigráfico de Hispania (Universidad Complutense de Madrid).